20 dezembro 2018

Proteção de dados

Preciso de vos pedir uma coisa. Respeitando o Novo Regulamento de Proteção de Dados, que entrará em vigor no dia 25 de maio de 2018, porei apenas o nome próprio de cada participante, para que não fique identificada a pessoa em concreto. 
No caso de alunos/participantes menores, não será identificada na publicação a turma e idade, apenas o ano e escola que frequentam.
Para aparecerem o nome e o apelido, preciso de receber um documento assinado pelo participante, ou pelo encarregado de educação, se este for menor, com o seguinte texto:

Eu, (nome) .................. (ou Eu,  (nome), encarregado de educação de) .............................................., autorizo que a minha identificação (ou a identificação do meu/minha filho/a) figure nas publicações do blogue «Histórias em 77 palavras», bem como a leitura das minhas/suas histórias na Rádio Sim ou no Podcast do blogue.
(data e assinatura - esta declaração terá de ser digitalizada ou fotografada)
Obrigada!
Margarida Fonseca Santos

23 maio 2018

Diário 77 ― 56 ― No ano letivo

Ficou a olhar para os livros novos, os cadernos, o estojo sem manchas de tinta. Havia outra coisa nova: não sentia nenhuma excitação por voltar à escola. Mexeu nos livros, remexeu-se por dentro, mexeu-se na cadeira.
– Então? – O silêncio remexeu o pai. – Deixa-me contar-te um segredo…
Com os livros como testemunhas, falaram da escola, das ilusões e das aprendizagens, de crescer. Falaram muito.
Antes de dormir, sorriu. Uma excitação invadia-o por dentro, antecipava a nova fase. Adormeceu.
Margarida Fonseca Santos

OUVIR

22 maio 2018

Susana Sofia Miranda Santos ― escritiva 32


― Mãezinha, tirei Excelente no teste de Matemática e mereço um presente. Quero um animal de estimação... um gnu. Vi um documentário, são animais giríssimos. Hoje, irei ao Jardim Zoológico com o Pedrinho raptar um.
― Querido, os gnus são animais selvagens.
― Mamã, o quintal é ideal... parece a selva africana. Graças ao gnu, o papá não necessitará de cortar a relva.
― Não preferes um cãozinho? Porque desejas um animal tão especial?
― Mamã, eu também sou uma criança especial.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Escritiva nº 32 ― um GNU na história

Margarida ― desafio 141

Chegamos nós na nossa nova casa e vimos que tinha uma esplanada e um jacuzzi adaptado, eu estava a adorar a nova casa, tinha um DVD de ouro muito raro, o meu quarto era aromático e tinha o poster do meu ícone preferido. O senhor das entregas ia onerar a mesa de vidro com uma encomenda muito pesada que tinha uma raridade lá dentro. O meu tio foi dizer adeus e nós dissemos adeus ao tio Eusébio.
Margarida, 7º, José Carlos da Maia, Olhão, prof Corina Jesus
Desafio nº 141 ― 3 letras do fim no início da palavra seguinte

Paula Castanheira ― escritiva 32


― Vamos conhecer a letra G com a ajuda do amigo Gnu.
― Gnu???!!! O que é isso? Um coro de vozinhas encheu a sala, até ali estranhamente calma.
Carlitos esticou nervosamente o dedo.
― Um cavalo!
― Um boi! Vi um no quintal do avô. ― Ritinha e a sua pródiga imaginação.
― Boi-Cavalo! Vivem em Africa, mas nós vamos conhecê-los no Zoo.
A excitação tomou conta dos pequenotes.
E agora? Como trazê-los de volta ao G?
Paula Castanheira, 54 anos, Massamá
Escritiva nº 32 ― um GNU na história

Gonçalo ― desafio 141


Numa Esplanada vi uma rapariga com um calção adaptado, pois adorava vê-la vestida com ele, tinha um avatar e tartarugas. Disse-me que gastou 10$. Ela era a rapariga que organizava a tourada na sua terra porque era adaptável, quem ia atuar eram velhos toureiros e era por isso que a tornava mais apelativa. A praça de touros ficava a 1KM do Hospital, se houvesse feridos graves ou ligeiros podiam ir logo para o hospital para serem observados.
Gonçalo, 7º, José Carlos da Maia, Olhão, prof Corina Jesus
Desafio nº 141 ― 3 letras do fim no início da palavra seguinte

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio 141


Naquele dia, Ivonildo, após olhar ao espelho, decidiu emagrecer.
O destino era irónico... era filho de um famoso tarimbeiro, ícone do mundo militar, mas onde estavam os músculos!? Parecia filho adoptivo do açúcar, pois assemelhava-se a uma esponja gigantesca ― fora onerado com mais de cem quilos.
Assim, decidiu lutar, testar a sua resistência... nunca mais usaria o elevador, subiria milhares de escadas até sentir as pernas dormentes!
A ginástica é fastidiosa, mas o pai orgulhar-se-ia de si.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio nº 141 ― 3 letras do fim no início da palavra seguinte
Naquele; elevador; dormentes; testar; tarimbeiro; irónico; ícone; onerado; adoptivo; Ivonildo.

Guilherme ― desafio 135

Era uma vez um alfaiate conhecido pelo bonito trabalho. Um dia estava a dormir direito, quando foi acordado pelo arauto do Rei:
“Por ordem de Sua Majestade, tereis de lhe fazer um traje nos próximos três dias, caso contrário morrereis! Tenho dito.”
O decreto estava escrito. Não havia volta a dar. Ao terceiro dia, o alfaiate, cansado, tinha o fato feito. Foi mostrá-lo ao rei, que o experimentou e disse:
Muito bem, alfaiate. Mais perfeito não há!”
Guilherme, 5º, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO

Theo De Bakkere ― escritiva 32


Uma hora de escuta
O hóspede novo revelou-se como um narrador eloquente, e os pequenos-almoços tornaram-se uma hora de escuta cativante. Então, sempre falava emocionado sobre África do Sul, sua terra natal, da beleza da savana, as excursões anuais que fazia, mas também do calor tórrido, os perigos ao passar a vau, o medroso rugido noturno dos leões. Os seus ouvintes encantados ofereceram-lhe chã e bolo, mas o gnu endurecido contentou-se com um feixe de palha e um balde de água.
Theo De Bakkere, 66 anos, Antuérpia, Bélgica
Escritiva nº 32 ― um GNU na história

Martim ― desafio 135


Era uma vez um menino aflito.
Um dia apeteceu-lhe frango frito. Disse aos amigos: “imito”!
Ele tinha muito jeito para certas coisas mas quando ouviu o mito do pé grande… Ficou cheio de pavor: não comia e até já parecia um palito. Sentia uma grande dor no peito, arrepios na pele e uma vontade enorme de fugir por causa do susto!
Com vontade, o nosso amigo conseguiu superar o medo! E voltou a ter um enorme apetite.
Martim, 5º, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO

Mariana, Rafael, Tatiana ― desafio 36


Viu o reflexo da cara numa poça de água. Ela exclamou, com toda a sua perspicácia, que algo de mal iria acontecer.
A caminho de casa, Kate deparou-se com uma luz que preenchia inteiramente os céus, no seio da floresta.
Receosa, Kate caminha até à floresta, até que encontra um gambuzino. Este diz-lhe:
― Este é um sítio muito perigoso para ti.
Subitamente respondeu-lhe:
Concordoeu vou para casa e passo cá noutro dia.
Kate foi para casa.
Mariana, Rafael, Tatiana, 10º [Helena Paz dos Reis (PB)/Anabela Amaral (prof. Português)] 
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa
“O Amigo dedicado”, Oscar Wilde, in Contos - Frase “E eu concordo inteiramente com ela.” 

Beatriz ― desafio 41


Vivo dentro de uma biblioteca velha, numa prateleira que está cheia de pó, nunca fui lido por ninguém. Acho que não sou suficientemente interessante para isso. Estava tão farto de estar lá que decidi explorar a biblioteca. Saltei da prateleira e lá fui eu em busca de leitores. Procurei em tudo que era canto e recanto, debaixo do jarro, atrás das prateleiras, até atrás de um quadro, mas nada de pessoas. Quase a desistir, apareceu a bibliotecária.
Beatriz, 9º ano, AE Morgado de Mateus, Vila Real, prof Sofia Doutel
Desafio nº 41 – a propósito do Dia do Livro

Luísa, Mariana M, Mariana C, Raquel ― desafio 36


Acordou e viu o que não esperava! Diante dele estava uma encomenda sem remetente.
Seria seguro abrir? A sua parte racional dizia-lhe para não o fazer. Contudo, a emoção e ansiedade de descobrir o que ali estava tomou conta de si.
Abriu…
Para seu espanto, era apenas uma folha branca com um código binário que, quando resolvido, originava um inesperado número telefónico.
Após momentos de reflexão, resolveu-o, ligou para o misterioso número e acordou ávido de conhecimento. 
Luísa, Mariana M, Mariana C, Raquel, 9º [Helena Paz dos Reis (PB)/Agostinha Gomes (prof. Português)]
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa
“O sonho de Sally”, Maria Ondina Braga in Contos de Óscar Wilde. Frase “E acordou.” 

Sara ― desafio 135

Estava em casa e ouvi um apito, era um rapaz bonito que no outro dia me tinha dito que fiz bem o exercício.
Até que ouvi um grito, era uma rapariga que tinha dado um jeito ao braço.
Depois fui passear com os meus amigos que estavam a contar uma história que afinal era só um mito.
Voltei a casa para jantar, onde estava o meu tio Tito a gritar:
― Gooooooooooolo!
Até que no fim surda fiquei.
Sara, 5º, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO

Íris ― desafio 134


“Chegou demasiado tarde. O tempo não esperara por si.”, foram as únicas palavras que o meu patrão me dirigiu quando cheguei atrasada à reunião. Esta coisa do tempo é difícil, temos muito, mas quando reparamos, já acabou. A preguiça é a maior inimiga do tempo. “Amanhã eu faço isso” é uma frase comum, mas raramente resulta. “Senhora! Preste atenção ao que eu digo!” Pois é, já me tinha esquecido da reunião. Amanhã pergunto do que estiveram a falar.
Íris, 6º, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 134 ― «Chegou atrasado…»

C. Técnico de Cozinha e Pastelaria ― desafio 141


O Adamastor
Um belo dia, estava eu na esplanada, a tomar o meu pequeno-almoço, constituído por uma torrada e um café, quando, de repente, aparece um tarado com uma vela na mão mas com um olhar adorável. Perguntou-me se queria jogar ao elástico. Eu tentei adaptar-me àquele ícone que era o adorado Adamastor, e com desejos improváveis, subiu-me a tensão. Quem nunca teve estes desejos improváveis? Afinal ele é uma tentação! Ai o meu coração!
Estou apaixonada! Atração assolapada!
Curso Técnico de Cozinha e Pastelaria de Vila Nova de Foz Côa, prof Andreia Pinho
Adamastor; torrada; adaptar; tarado; adorado; adorável; vela; elástico; ícone.
Desafio nº 141 ― 3 letras do fim no início da palavra seguinte

Adriana, Iva, Sara ― desafio 36


Naquela noite, tudo era sinistro. Não sabemos se foi o álcool ou o facto de nos acharmos tão adultas, parecia que a vida estava a desmoronar.
Estávamos as três sentadas nos bancos do comboio, não andávamos e  nem conseguíamos pensar.
A vida dos adultos parecia bem mais difícil depois dos dezoito.
mundo é uma caixinha de surpresas, mas o pior é que, de repente, tudo ficava de pernas para o ar.
Será que estamos preparadas?
Adriana, Iva, Sara, 10º [Helena Paz dos Reis (PB)/Anabela Amaral (prof. Português)] 
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa
 “O Verão das teorias”, Teolinda Gersão, in A mulher que prendeu a chuva. Frase “De repente o mundo dos adultos já não nos parecia tão sinistro.” 

Domingos Correia ― desafio 134


Um sonho de vida
Chegou demasiado tarde. O comboio não esperara por si. Talvez tenha perdido o sonho de uma vida…
Pensativo, atravessou a rua. Um carro desgovernado deixou-o inconsciente.
Acordou no hospital. A seu lado, a meiga enfermeira segurava-lhe as mãos.
E, assim, um romance nasceu, naturalmente, como rosas desabrochando em tempo de primavera.
São curiosas as malhas do destino!... perdeu o sonho de uma vida, talvez… mas acabou ganhando um sonho de vida: Casaram e viveram felizes para sempre!
Domingos Correia, 60 anos, Amarante
Desafio nº 134 ― «Chegou atrasado…»

Ana Luísa ― desafio 41


Havia uma rapariga que se sentia só… Os pais tinham falecido devido a uma doença horrível, o cancro. Ela achava que ninguém a compreendia, por isso isolara-se de tudo e de todos. Mas, um dia, ela encontrou um livro sobre uma história semelhante à sua. A partir daí ela aprendeu que não era a única e algo tão simples como ler fê-la sentir-se menos só, voltou a dar-lhe motivação, fê-la voltar à realidade… aquele livro salvou-lhe a vida.
Ana Luísa, 9º ano, AE Morgado de Mateus, Vila Real, prof Sofia Doutel
Desafio nº 41 – a propósito do Dia do Livro

Ana Rita, Bárbara, Diana, Cíntia ― desafio 36


Os dias passavam velozmente, enquanto as noites pareciam nunca acabar. Ali vivia uma rapariga com medo sinistro da noite escura.
Era tudo tão diferente que parecia não ter fim. Tudo começava nos barulhos que a despertavam. Não havia escapatória,  era repetitivo.
Sombras adultas que vagueavam dos pensamentos ao mundo real. O medo aumentava, enquanto, de repente, os pais interrompiam os seus pensamentos de horror e pânico.
Com isto, o dia ia nascendo e o pânico desfalecendo. 
Ana Rita, Bárbara, Diana, Cíntia, 9º [Helena Paz dos Reis (PB)/Cecília Canha Silva (prof. Português)]
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa
 “O Verão das teorias”, Teolinda Gersão in A mulher que prendeu a chuva. Frase “De repente o mundo dos adultos já não nos parecia tão sinistro.”