20 agosto 2017

Escritiva nº 23

Não sei vocês, mas eu podia bem trabalhar para o Turismo de Portugal, tal é a promoção turística que faço do país. Eu devia receber uma percentagem por cada amigo ou colega que já foi a Portugal depois de ouvir as minhas recomendações, juro-vos que estaria rica! Desconfio bem que às vezes até têm experiências menos positivas, mas não se atrevem a dizê-lo e eu continuo nisto a recomendar Portugal.

Ora bem, o desafio não é recomendar destinos em Portugal, que também pode ser e a gente agradece, mas sim escrever em apenas 77 palavras uma recomendação que dê mesmo vontade de visitar um determinado destino, ir comer a um determinado restaurante, assistir a uma determinada festa ou romaria, ou todo o contrário!

Eu recomendei assim:
Se não quiser ficar a cheirar a sardinha assada e com hálito de caldo verde, não pense pôr aqui os pés. Se gosta pouco de confusões, gente muito alegre munida de martelos e alhos porros, nem sequer perca tempo a fazer as malas. Se tem ouvidos sensíveis, um coração debilitado e colesterol elevado, não arrisque: o fogo de artifício é potente. E se é pouco dado a socializar, o São João não é mesmo festa para si!
Paula Cristina Pessanha Isidoro, 36 anos, Salamanca
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem

18 agosto 2017

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 74

Quando te conhecemos, eras alguém bem-sucedido, integrado num núcleo familiar equilibrado, com namorada e amigos, possuidor de vínculo laboral.
Contudo, desvalorizavas e criticavas tudo e todos; tu eras um génio que superava Einstein. Ninguém deveria ousar questionar a tua inteligência!
Mas tudo mudou... o desemprego assomou no horizonte, as pessoas que te rodeavam, cansadas de maus-tratos, seguiram outro caminho.
Hoje, é o sábio que mendiga afecto de quem anteriormente desprezava, ignorando no nada em que se transformou.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 74 – nada em que se transformara

Isabel Lopo ― desafio nº 123

Tinha FICADO combinado que me levavas ao treino de JUDO. Gabavas-te de ser o melhor e, orgulhosa como TUA namorada, teria TIDO um enorme gozo em ver-te.
Não foi JUSTO. CAÍ na conversa como uma patinha e deixaste-me pendurada. Chorei de raiva ao saber que foras acompanhado. Depois falaste-me com voz de vítima dizendo que partiras um braço.
«Que pena», disse trocista. «Agora estou ocupada. DÓI-me o coração e ando à procura de quem me trate dele....»
Isabel Lopo, 71 anos, Algarve

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 24

Duas melgas, de fisionomia distinta, encontram-se numa casa num dia solarengo.
― Amigo, já viste como engordaste?
― Tu conheces os meus instintos vampirescos... não resisto a pescoços suculentos!
― Mas redondinho atrais a atenção dos inimigos e tens menos celeridade para escapar.
Então, um cão gigantesco aparece subitamente, engolindo a melga anafada imediatamente.
A outra, cogitando, declarou:
― Eu bem que avisei...
Passado segundos, a melga escanzelada foi esborrachada por um mata-moscas.
Afinal, o perigo surge em todo o lado.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 24duas melgas à conversa, uma gorda e outra escanzelada

Roselia Bezerra ― desafio nº 122

Era só um mosquito no leite, mas…
... só não perturbou-me muito porque estou de muito bom humor ultimamente, dei-lhe um safanão e ele fugiu depressinha de perto de nós que estávamos a lanchar com amigas. Nada deixou nos abalar, porém ele, não satisfeito, voltou a tentar degustar nosso cafezinho quente em pleno inverno rigoroso daqui no Rio de Janeiro...
Unimo-nos e ele caiu fora definitivamente.
Finalmente tivemos uma ótima tarde e não é qualquer mosquito que vai nos tirar do sério.
Viva a alegria!
Roselia Bezerra, 63 anos, Rio de Janeiro, Brasil

Desafio nº 122 ― um mosquito no leite

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 66

A Belinha está deitada na sua cama a ler "Os Maias", tendo que interromper abruptamente na página 99.
A mãe pediu-lhe para ir à florista encomendar um ramo de 66 rosas vermelhas, representando todos os funcionários, para oferecer à directora do hospital onde trabalha ― hoje é o aniversário da instituição.
A directora é uma pessoa exemplar e uma profissional muito competente, capaz de motivar e unir a equipa, sendo extremamente carinhosa com os utentes... todos a adoram!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 66 – números 66 e 99

17 agosto 2017

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 34

A avó tocou-me no ombro atrapalhando a leitura da obra "O homem que sabia contar". 
O livro possui histórias entusiasmantes, frases simples, que nos consolam a alma!
Ralhou-me, dizendo que procura ser paciente com os netos, mas já percebeu que connosco, aconselhar é insuficiente; tem que passar a punir.
Que aborrecimento... sermões entediantes!
Adoro ler, viajo por sítios desconhecidos, desde esquinas vizinhas a reinos longínquos. Acontece que detesto ser interrompida, porque depois esqueço onde parei na história.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 34 – grelha de 16 palavras obrigatórias

Sandra Silvestre ― desafio nº 123

Conheci, em tempos, um rapaz chamado JustinoTinha a mania que era mau e gostava de aterrorizar os outros com os seus maus modos. Dedicava-se a expedientes pouco claros e gabava-se de intimidar o bairro com a sua fama de rufia. O que ninguém sabia é que ele tinha um segredo insuspeito. Descobriu-se tudo na noite em que faltou a luz na tasca da aldeia. Entre a confusão generalizada, alguém chorava compulsivamente. Justino tinha medo do escuro!
Sandra Silvestre, 46 anos, Carregado

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 49

Em Dezembro, viajamos para a Suíça... os pais adoram desportos de Inverno e, após muito trabalho, merecem umas férias repousantes.
Quando chegamos, os pais foram esquiar e eu decidi patinar. Mas, acidentalmente, cortei o braço nas lâminas dos patins ao calçá-los.
A mãe pediu, então, o estojo de primeiros socorros ao pai para fazer o curativo.
Mas o pai, mal viu sangue, corou, depois empalideceu... parecia a bandeira helvética! Por fim, desmaiou.
Os homens são muito sensíveis.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 49 – história louca de férias!

Odília Baleiro ― desafio nº 123

Não é justo que tenhas ficado aborrecido porque continuámos a caminhar ao longo do rio Sado, quando nos desencontrámos. Quando chegámos àquele sítio, onde fica a fábrica de arroz, que conheces bem, esperámos por ti bastante tempo, telefonámos, não atendeste, pelo que todos deixámos uma mensagem. 
Nada justifica o teu comportamento, porque não demorámos tanto tempo que pusesse em causa o nosso compromisso à noite. E, claro, estávamos em casa a horas. 
Esperamos que nos faças justiça!  
Odília Baleiro, 62 anos, Lisboa

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 34

O homem que vive em espanto deixa portas abertas no sonho.
A permanente admiração, a surpresa surpreendente é instigadora de uma constante inconstância!
Meu Deus... a banalidade gera marasmo e apatia.
A fantasia concede-nos asas para voar para onde quisermos; o sonho idealiza projectos, diz-nos como transformar a vida; a criatividade desenha as armas para alcançar o que planeamos.
O sonho, quer entre pela porta ou pela janela, melhora a nossa vida e de quem nos rodeia.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio RS nº 34 – frase de Mia Couto

15 agosto 2017

Paula Castanheira ― desafio nº 123

Sentei-me no sofá e ali fiquei tarde fora a pensar na tia, teria sido justa com ela?
Mas porque fez tamanha fita, à frente de toda a família e ainda por cima à porta da casa de fados?
Que vergonha, todos ficaram a olhar para nós!
Não poupei nas palavras, quando de saco cheio, a repreendi.
Talvez tenha sido demasiado dura, talvez não tivesse passado de uma velha senhora à procura de mais atenção, de mais carinho!
Paula Castanheira, 53 anos Massamá

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 64

Depois do fim de uma antiga história de amor, plena de sentimentos recalcados, começou uma outra que de triste nada possui.
Esta nova história pouco tem, mas detém o principal... tu existes dentro dela; és essencial para colorir dias de penumbra, para despertar melodias em ambientes insonoros e conceder inspiração ao espírito quando está em fase de austeridade criativa.
O meu amor por ti dá asas à minha imaginação; és tu que conduzes a minha caneta. Obrigado!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 64 – texto começando por “Depois do fim…”

Laura Garcez ― desafio RS nº 44

Caixas com Amor
João Henrique separava, pacientemente, as caixas dos sapatos e dos perfumes. Quando foi afrontado na sua dignidade, estes acessórios deram-lhe alento. Aquele lugar sombrio marcara-lhe a alma. A rejeição estava ali retratada. Ouvia, refletia, importava-se. Arrumava as caixas lavadas com lágrimas - lembravam-lhe a maldade.
João Henrique considerava-as uma preciosidade - tinham-lhe perfumado a amargura. Retratavam a riqueza da sua alma, a força do seu caráter. Cada caixa tinha a sua história. Segredavam-lhe a tolerância, revelavam a sua bondade. 
Laura Garcez, 44 anos, Lisboa

Desafio RS nº 44 – reflexão em 44, contrário em 33

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 62

Uma caixa de música e um gira-discos conversam tristemente numa prateleira empoeirada do armário, no sótão.
― Caixinha, a família partiu... ficamos esquecidos!
― Amigo, já fomos felizes! Antigamente, adormecia sempre o bebé com a minha música.
― E eu, alegrava o dia do casal, que adorava dançar com as músicas de rock do Elvis Presley.
― Actualmente, o casal faleceu; o filho cresceu, só ouve música funk na televisão, aparelhagem e computador.
― A música modernizou-se, mas perdeu qualidade e romantismo.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 62 – dois objectos, numa prateleira cheia de pó, conversam

Palmira Martins ― desafio nº 123

Ironia do Destino
Costa, nascido e criado num lugarejo junto ao Sado, nunca tinha viajado para além da capital, onde trabalhara nas docas.
Um ano teve a recompensa justa: uma empreitada no Brasil, na Barra da Tijuca.
Apaixonou-se pelas praias e, principalmente, pelas garotas de pele dourada.
Ele, jovem casto e fiel à namorada que deixara na terrinha, perdeu a cabeça e por lá ficou.
A namorada, farta de esperar, casou com um brasileiro rico que apareceu na terra.
Palmira Martins, 61 anos, V. N. Gaia

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 9

Tu foste o meu melhor presente, minha linda!
Pensamos que eras uma cadelinha pequena, ideal para apartamento, mas rapidamente descobrimos que sete quilos se transformaram em trinta.
Mal te vimos, apaixonamo-nos pelos teus olhos doces, minha Naná... baptizei-te com o epíteto que a família me atribuiu quando era criança, por seres especial!
Deste-me muita felicidade... quando morreste, um pedaço de mim morreu contigo!
Sei que me amaste até ao fim e o sentimento é recíproco, pérola negra!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio Rádio Sim nº 9 – A melhor prenda que recebemos na nossa vida (não precisa de ser material, pode ser emocional)

Carla Silva ― desafio nº 123

A notícia
Doti levou o caju à boca e observou o tio nas docas. Usava um casaco velho, que de tão usado parecia sujo. Limpou uma lágrima. Oxalá tivesse ficado! Ele precisara dela. Não devido à idade mas pelas circunstancias da vida. E ela trazia outro golpe.
Como dizer-lhe que, embora fosse
 justo com todos, a justiça não tinha sido com ele?!  Como se diz a uma pessoa que perdeu tudo, que não pode continuar onde fora tão feliz?!
Carla Silva, 43 anos, Barbacena, Elvas

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 31

O pai fez um furo no pneu. Nunca teve juízo na condução e pisou uma maçaneta.
Que problema! Trocar o pneu ia massacrar o pai!
Fartei-me de rir com o desespero paterno. Decidi comer um bispo... quero ganhar peso e ser forte como uma pedra.
O pai continua torcido à volta do pneu; no conteúdo da mala encontrou um macaco. Agora, parece um palerma a estudar um livro de mecânica.
Eu estava escondida a rir-me da cena.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio RS nº 31 – 14 palavras com ordem imposta

12 agosto 2017

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 122

Hoje, durante o pequeno-almoço, um mosquito aterrou dentro do meu copo de leite.
Que desgraça... o meu leitinho ficou arruinado!
Mas não fiquei zangada. Eu adoro tomar banho na piscina do hotel, talvez o mosquito goste de banhos de leite e pensasse estar a aproximar-se da Via Láctea!
Eu adoro leite com mel ou groselha, mas mosquitos não são um tempero que aprecie.
Talvez a Gervásia, a gata do meu namorado goste deste sabor peculiar no leite.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 122 ― um mosquito no leite

Theo De Bakkere ― desafio nº 123

O torneio de judo
Quando o judoca jovem entrou no tatâmi estava muito fiado no sucesso. No entanto, o adversário era um gigante e não deixou alguma dúvida, queria à custa de tudo vencer este torneio de judo. Embora o jovem já tivesse sido imediatamente derrubado por um ato muito rápido desse colosso, conseguira libertar-se do seu estrangulamento.
Ora! Não se deu por vencido, e apesar do incómodo da fita-cola que protegia um tornozelo fraco, enganará com um ipon seu oponente.
Theo De Bakkere, 65 anos, Antuérpia, Bélgica

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 110

Qualquer problema tem sempre solução se tivermos amigos verdadeiros.
Quando éramos crianças, assinámos um tratado de amizade, constituímos um clube secreto, encontrámos um refúgio onde realizávamos as reuniões e partilhávamos segredos.
Estávamos sempre juntas... apoiavas-me na escolha da rosa a oferecer à mãe e na retirada do espinho doloroso do dedo. Eu emprestava-te o martelo para reparares o banco desmembrado.
Actualmente, empresto-te o meu namorado para te mudar os pneus furados do carro.
A amizade é fantástica!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias

Liliana Macedo ― desafio RS nº 34

Custava-lhe adormecer. A vida captava-o, hipnotizava-o. Temia que algo novo, emocionante, o esperasse e perdesse tal oportunidade enquanto repunha energias. Cada vez que lhe diziam ser hora de deitar imergia numa profunda tristeza, carregado de apreensão. Receava que a vida lhe fugisse sem que tivesse tempo de viver. Era uma criança bastante ativa, na sua mente. Até que o pai lhe ensinou a enganar o sono, deixando a porta aberta nos sonhos para que as aventuras entrassem.
Liliana Macedo, 18 anos, Ovar

Desafio RS nº 34 – frase de Mia Couto

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 8

Esta noite choveu e sente-se o ar impregnado pelo cheiro a humidade e terra molhada. Mas, felizmente, neste momento não está a chover.
Acabei de chegar à escola e verifiquei que perdi a chave do cacifo.
Como sou extremamente positiva por natureza, não fiquei nada aborrecida com este facto, bem pelo contrário. Fiquei em êxtase absoluto... é uma ordem divina para faltar imediatamente à aula de matemática.
Como sou uma menina obediente, resta-me respeitar as exigências superiores!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio RS nº 8 – juntar cacifo, cheiro a humidade e êxtase

Carla Silva ― desafio nº 122

O Plínio
Plínio tentou voar mas tinha as asas completamente encharcadas!
Ele estranhara a chávena mudar de sitio, mas estava tanto calor que mergulhou sem pensar.
Apenas percebeu o erro tarde demais, o seu refúgio transformara-se numa piscina e ia morrendo afogado! Ou mesmo queimado!
Só escapou porque a velha senhora o salvou com a colher. Salvar não era bem o termo. Ela quisera esmagá-lo na chávena do leite quente!
Felizmente conseguira escapar ao seu triste e quase eminente fim. 
Carla Silva, 43 anos, Barbacena, Elvas

Desafio nº 122 ― um mosquito no leite

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio nº 39

A Joana viu um ovo colorido gigantesco na montra da confeitaria mais famosa da cidade.
Como ela adoraria poder oferecê-lo ao Diogo, seu afilhado, mas as finanças estavam algo fragilizadas, justamente naquela época... que azar!
Mas o Diogo merecia qualquer esforço, era um menino especial!
Se fosse necessário, não compraria amêndoas para si. Era adulta, devia abdicar dos doces em prol das crianças.
Além disso, não devia ser muito caro. Afinal, era só um ovo de Páscoa!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio n.º 39 história que contém a frase: “Afinal, era só um ovo de Páscoa”

10 agosto 2017

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 6

Hoje consultei o calendário e percebi que terei teste de matemática... será um fracasso inimaginável!
Posso estudar copiosamente, mas o cérebro está totalmente blindado relativamente aos números.
Desde criança que odeio matemática e não consigo encetar um processo de regeneração com esta disciplina ― é completamente inútil!
O meu verdadeiro amor é a língua portuguesa: ler, escrever, interpretar textos... tudo me dá prazer!
Actualmente, estamos a canalizar o "Amor de Perdição”... é uma autêntica orgia literária! Que beleza!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio RS nº 6 – palavras tiradas à sorte do dicionário

Natalina Marques ― desafio nº 123

Encontrou-o CAÍDO na escada TOCADO pela bebida.
TÍSICO, porque tinha sofrido de TIFO.
Com muita paciência ajudou-o a entrar em casa, deitou-o na cama.
Ligou para o engenheiro, com quem tinha AJUSTADO a obra junto à OTA disse-lhe tudo o que veio à cabeça, FIADA que tinha resolvido o problema.
No outro dia soube que tinha fugido com o dinheiro, desolada, pensou...
― Não é JUSTO.
Eram as economias que amealhara ao longo de uma vida de sacrifício.
Natalina Marques, 58 anos, Palmela

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio RS nº 13

Há muito tempo que o meu coração pulsava mais forte quando te aproximavas de mim, mas sentia o calendário avançar rapidamente, acusando o final do nosso curso... que sofrimento!
Queria confessar-te o meu amor, mas as palavras atrapalharam-se dentro da minha boca.
Restava-me recorrer ao cérebro. Tu gostavas de ler, por isso, emprestei-te "Os Miseráveis" de Victor Hugo, composto por cinco volumes... demoram a ler, estou certa que não desapareces da minha vida dentro de duas semanas.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Desafio RS nº 13 – … palavras atrapalharam-se dentro…